G.K.Bagoe

0
981

A leitura entrou em minha vida bem antes que eu mesma soubesse ler ou escrever, incentivada por uma Mãe apaixonada por leitura, que me levou a escrever meus primeiros poemas, contos entre outras aventuras literárias que adentrei, apesar de parecer mais criptografias do que propriamente escritas… me deparei com o anseio de expressar também minhas opiniões sobre o que eu lia, porém não de forma verbal, mas como sempre foi para mim; registrar através das letras o que minha mente fala, parece até coisa de louco né? Mas não é, afinal o que seria de nós sem nossa consciência? É justamente ela, que como uma criança cheia de personalidade se impõe e dispara a declamar seus achismos sobre isso ou aquilo, suas indagações, conjecturas, havida por conhecimento e o melhor,por nos conhecer. E convenhamos, não existe nada mais instigante do que conversar conosco e entrar em um debate com nossa mente inquieta.A ideia de escrever resenhas sobre o que leio chegou até mim como quase tudo na minha vida, um gatilho para extravasar o que guardo em diários virtuais e não virtuais, o caminho se apresentou para mim e eu resolvi toma-lo. Ansiando através dele encontrar com mentes diferentes e iguais, sim, quem não deseja encontrar com pessoas que tenham pensamentos iguais ou ao menos parecidos com os seus? Mas não somente esse intuito, alem disso, acender uma luzinha, para uma nova aventura, um novo romance, novas descobertas ou encontros com medos nunca antes desvendados; afinal a leitura nada mais é do que uma viagem ao desconhecido onde podemos ser quem, quando e onde quisermos, seja através de contos, poemas ou pequenos momentos de devaneios, bastando somente manter-se hermeticamente abertos.

Descanse em paz, meu amor – Pedro Bandeira

Entrevista com o vampiro – A história de Cláudia – Anne Rice

Noites de Paixão – Alison M. King
Sociedades Secretas- Nada Permanece oculto para sempre – João Bernades 

Artigo anteriorFernando Mello
Próximo Artigo Profano – S. Miller
Grace Kelly
A leitura entrou em minha vida bem antes que eu mesma soubesse ler ou escrever, incentivada por uma Mãe apaixonada por leitura, que me levou a escrever meus primeiros poemas, contos entre outras aventuras literárias que adentrei, apesar de parecer mais criptografias do que propriamente escritas... me deparei com o anseio de expressar também minhas opiniões sobre o que eu lia, porém não de forma verbal, mas como sempre foi para mim; registrar através das letras o que minha mente fala, parece até coisa de louco né? Mas não é, afinal o que seria de nós sem nossa consciência? É justamente ela, que como uma criança cheia de personalidade se impõe e dispara a declamar seus achismos sobre isso ou aquilo, suas indagações, conjecturas, havida por conhecimento e o melhor,por nos conhecer. E convenhamos, não existe nada mais instigante do que conversar conosco e entrar em um debate com nossa mente inquieta.A ideia de escrever resenhas sobre o que leio chegou até mim como quase tudo na minha vida, um gatilho para extravasar o que guardo em diários virtuais e não virtuais, o caminho se apresentou para mim e eu resolvi toma-lo. Ansiando através dele encontrar com mentes diferentes e iguais, sim, quem não deseja encontrar com pessoas que tenham pensamentos iguais ou ao menos parecidos com os seus? Mas não somente esse intuito, alem disso, acender uma luzinha, para uma nova aventura, um novo romance, novas descobertas ou encontros com medos nunca antes desvendados; afinal a leitura nada mais é do que uma viagem ao desconhecido onde podemos ser quem, quando e onde quisermos, seja através de contos, poemas ou pequenos momentos de devaneios, bastando somente manter-se hermeticamente abertos.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here